Separando as coisas 

JEAN PAUL PRATES

Jean-Paul Prates

Passada a campanha eleitoral e alguns longos meses de estranhos debates aventando temas e teses que eu já considerava superados ou ao menos evoluídos no Brasil, creio que voltaremos agora a uma fase de racionalidade – com investigações e punições nas devidas proporções, discursos bem menos incendiários de parte a parte, e uma certa mobilização pelo retorno do crescimento econômico em bases sustentáveis para o País.

Fazer parte da Política Nacional não deveria ser algo que fizesse confundir imediatamente a pessoa com as práticas de achaque, propinagem e venda de privilégios. Mas infelizmente a prática precedente a cada um que, como eu, se aventura a ingressar neste jogo, faz com que esta ligação direta se justifique.

A corrupção existe desde a primeira obra pública da Antiguidade. Investigá-la e puní-la é que faz a diferença entre nações com mais ou menos dela (nunca zero).

Mesmo que alguns tenham razão para desconfiar ou duvidar disso, a Política para mim é uma atividade PRO BONO, como deveria ser para qualquer cidadão. Uma atividade à qual me dedico sem esperar remuneração ou lucro. Um ‘pro bono’ como quem frequenta e ajuda sua igreja, seu condomínio, sua associação de moradores, sua comunidade rural, seu sindicato ou núcleo trabalhista.

Defendo e me orgulho da agremiação política de que participo hoje, pelo histórico de realizações e pessoas que fazem parte de suas credenciais, embora também defenda reformas profundas, punições justas e o reconhecimento público de suas falhas. Nunca me filiei a partidos antes, e só o fiz após me certificar dos seus valores e realizações concretas. Ainda assim, trata-se de uma atividade política como cidadão, e não como profissional.

Apesar da felicidade e honra de haver sido eleito suplente de uma pessoa íntegra, capaz, batalhadora e honesta como a Senadora Fatima Bezerra, e de, como seu primeiro suplente, não ter salário, cargo ou vantagem qualquer, nem ter pedido ou reivindicado qualquer destas coisas, algumas pessoas – pelo vício e precendentes que justificam seu pré-conceito – imaginam e até declaram inferências sem reconhecer o caso específico aqui representado.

Tenho o direito pleno de continuar exercendo todas as minhas atividades regulares como cidadão, consumidor, liderança setorial, pai de família e, principalmente, empresário, criador de empregos, inteligência e realizações concretas. E não posso deixar que confundam ou onerem estas atividades com outra que exerço pela simples vontade de ajudar o País a depurar-se justamente dos “políticos profissionais”.

Quem ainda acha que exercer política é uma atividade exclusiva e excludente está falando de uma política que é justamente a que queremos extinguir: a das vantagens e conchavos, a dos oportunistas, casuístas e demagogos. A dos “profissionais da política”. Não faço e não farei parte desta.

Portanto, deixo aqui este esclarecimento, e o farei pessoalmente sempre que for pertinente: minhas atividades empresariais, sociais e pessoais não possuem nem possuirão qualquer conflito de interesse que não possa ser administrado tanto quanto o fazem consultores, advogados, médicos, jornalistas e outros tantos profissionais diante de situações potencialmente sobrepostas.

Nada deve afetar e ameaçar a saúde financeira, regularidade e honestidade da atuação profissional, tanto minha quanto de qualquer membro das minhas equipes de trabalho, hoje espalhadas por empresas e entidades setoriais com sedes em Natal, Rio de Janeiro, São Paulo e Fortaleza além de atividades itinerantes por todo o Brasil e no exterior. Por isso, continuo trabalhando normalmente e espero que todos reconheçam isso. Em meio a tanta confusão, pode até parecer excepcional, e é.

Jean-Paul PratesConsultor em Energia, Diretor-Presidente do CERNE.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *