HOMENAGEM AO AMIGO LAURO BEZERRA – Valério Mesquita

HOMENAGEM AO AMIGO LAURO BEZERRA – Faleceu, na madrugada desta sexta-feira (16), no Hospital São Lucas, em Natal, o professor universitário aposentado, médico e ex-deputado estadual Lauro Bezerra, aos 90 anos. Vim conhecer melhor Lauro Gonçalves Bezerra, filho do ex-deputado João Bianor Bezerra, colega do meu pai, na antiga Assembleia Legislativa, a partir dos anos […]

A 5ª DIMENSÃO DO ESTRESSE – Valério Mesquita

A 5ª DIMENSÃO DO ESTRESSE – Tudo incomoda o vivente. O sobrevivente. Provar a sensação amarga da guerra perdida. Contemplar do alto do edifício urbano as maiorias fúteis impondo iniquidades sobre Natal. O ter que se habituar com a visão torta e vesga dos poderosos de plantão que impõem suas regras pela mídia. Natal sem […]

NO LIMIAR DA PAIXÃO E RESSURREIÇÃO – Valério Mesquita

NO LIMIAR DA PAIXÃO E RESSURREIÇÃO – Tudo parte de um questionamento do amigo jornalista Paulo Tarcísio Cavalcanti, certa vez, que reflete, com exatidão a dúvida inquietante de milhões de pessoas no mundo, quer sejam religiosas ou agnósticas. Suas reflexões constituem um verdadeiro questionário ao qual me proponho responder como posso, nesse limiar do ano […]

NO LIMIAR DA PAIXÃO E RESSURREIÇÃO – Valério Mesquita

NO LIMIAR DA PAIXÃO E RESSURREIÇÃO – Tudo parte de um questionamento do amigo jornalista Paulo Tarcísio Cavalcanti, certa vez, que reflete, com exatidão a dúvida inquietante de milhões de pessoas no mundo, quer sejam religiosas ou agnósticas. Suas reflexões constituem um verdadeiro questionário ao qual me proponho responder como posso, nesse limiar do ano […]

O CELULAR – Valério Mesquita

O CELULAR – Não há faca de dois gumes mais cortante e afiada que o aparelho celular. As estatísticas aí estão para comprovar o que afirmo. Favorece a escuta, acidentes quando utilizado na direção de veículos e em penitenciárias nas mãos dos marginais, sem esquecer outros usos e abusos tão conhecidos de todos. Sei perfeitamente […]

SALDO DE RETALHOS – Valério Mesquita

SALDO DE RETALHOS –  Fotos, recortes amarelecidos de jornais, álbuns perdidos, lembranças mortas, tudo se resume no que ficou de mim no caixote que mandei buscar em Macaíba. Quase cinquenta anos estavam ali amontoados sem me passar a certeza de que fui feliz. Viagens, lugares, reuniões, festas, política e políticos, o lar, as pessoas, o […]

SALDO DE RETALHOS – Valério Mesquita

SALDO DE RETALHOS – Fotos, recortes amarelecidos de jornais, álbuns perdidos, lembranças mortas, tudo se resume no que ficou de mim no caixote que mandei buscar em Macaíba. Quase cinquenta anos estavam ali amontoados sem me passar a certeza de que fui feliz. Viagens, lugares, reuniões, festas, política e políticos, o lar, as pessoas, o […]

EQUÍVOCO HOMÉRICO – Valério Mesquita

EQUÍVOCO HOMÉRICO – Nos anos noventa, o deputado Leonardo Arruda encabeçou um oportuno movimento na Assembleia Legislativa com o objetivo de tornar sem efeito o título de cidadão honorário norte-rio-grandense concedido a José Carlos Fragoso Pires. Léo, como advogado e regimentalista, procurou amparo legal para convalidar a iniciativa que teve o apoio da grande maioria […]

O PERIGO ESTÁ NO TOM – Valério Mesquita

O PERIGO ESTÁ NO TOM – Diante da vida comum em Natal, ninguém pode fugir ao hábito da ironia, da tendência do sarcasmo e da aversão a tudo que é medíocre, vulgar e chato. A primeira futilidade pública é o escandaloso delírio das torcidas do paupérrimo futebol potiguar, todas endiabradas e ensandecidas pelas ruas, fazendo […]

NÃO MAIS QUE DE REPENTE, O VERÃO – Valério Mesquita

NÃO MAIS QUE DE REPENTE, O VERÃO – Lendo Chico Xavier, que orava a Deus para não perder o romantismo, mesmo sabendo que as rosas não falam, refleti sobre o verão que chegará breve, trazendo com ele os cajus, as acácias e os pau-d’arcos amarelos. Lembrei-me também de rever as crônicas sobre o tema escritas […]

ONDE ESTÃO OS DISCOS VOADORES? – Valério Mesquita

ONDE ESTÃO OS DISCOS VOADORES? – O oculto está à nossa volta. O mistério circunda as nossas vidas. Quando Jesus virá novamente? Quero trazer sempre à memória aquilo que me dá esperança. Por isso, creio no invisível para não me suicidar no palpável. O visível encerra vícios redibitórios. Mas, também, sem ser ufólogo, preocupo-me com […]

REFLEXÕES SOBRE JOGO DUPLO – Valério Mesquita

REFLEXÕES SOBRE JOGO DUPLO – Fica decretado que no período da quaresma os homens públicos, já tão vergastados, não permaneçam submissos ao jogo da mentira. Não será preciso usar a couraça da desfaçatez para denegrir o semelhante. O Poder Legislativo, antes, rinha real, escarlate, com suas armadilhas e contendas, transmudou-se em Assembleia de Deus onde […]

TEMPO DE OUVIR SINAIS – Valério Mesquita

TEMPO DE OUVIR SINAIS –  Gautama é a personagem histórica que fundou o budismo no século V a.C. Essa religião, que se opôs ao bramanismo, conta com mais de quinhentos milhões no Extremo Oriente, incluindo-se Índia, China e Japão. Já Maomé, profeta e fundador do islamismo, lá pela era de 632 d.C., domina, hoje, dezenas […]

VOCÊ É AQUILO QUE APROVA – Valério Mesquita

VOCÊ É AQUILO QUE APROVA – As minhas sensações se revezam depressa. Por mais que me esforce, não consigo me fixar em coisa alguma. Se penso ou sinto algum tema, deduzo que tudo será esquecido e me calculo inútil. Esse prelúdio indefectível talvez chegue a algum lugar. Gostaria de denunciar, por exemplo, aquilo que muitos […]

A NUDEZ DA SOLIDÃO – Valério Mesquita

A NUDEZ DA SOLIDÃO – Existe uma doutrina defendida pelos monges trapistas do Tibet – até hoje não superada –  de que ninguém administra sozinho. E uma corrente mais ortodoxa complementa: não se ganha eleição sozinho. No Brasil, desde 1947, os pleitos majoritários e democráticos que elegeram Getúlio, Juscelino, Jânio, Fernando Henrique, Collor de Melo, […]

UM TEATRO PARA MACAÍBA – Valério Mesquita

UM TEATRO PARA MACAÍBA – Raríssimos são os municípios do Rio Grande do Norte com tradição de arte cênica. Macaíba é um deles. Desde o tempo dos Albuquerque Maranhão, apaixonados pela música e pelo teatro, na casa do velho Amaro Barreto que encomendava ao jovem Henrique Castriciano de Souza (1874-1947) peças para serem apresentadas em […]

O ATHENEU – LEMBRANÇA QUE O TEMPO NÃO DESFEZ – Valério Mesquita

O ATHENEU – LEMBRANÇA QUE O TEMPO NÃO DESFEZ – Naquele tempo, o nosso mundo começava no Atheneu, um nome bonito, sonoro e poético. Era o tempo da felicidade na sua forma mais simples; dos primeiros alumbramentos; dos gestos inaugurais dos amores clandestinos. Falar sobre o Atheneu dos idos 50 e 60, é caminhar numa […]

NOSTALGIAS – Valério Mesquita

NOSTALGIAS – Vivo o desconforto e a nostalgia de mim mesmo ao me deparar com o sonho dos meus vinte anos que a idade madura não confirmou. Sinto-me disperso, irrealizado, quando retorno às minhas origens telúricas. A meta de trazer o passado ao presente, reconstruí-lo pela palavra e pensamento a fim de reconquistar a minha […]

CHEIRO DE SAUDADE – Valério Mesquita

CHEIRO DE SAUDADE – 01) Sempre que me encontro com minha irmã Nídia Mesquita, vivemos reminiscências. Conversas soltas, assuntos de ontem e de hoje, que reabastecem as gastas baterias do viver. Aqui e acolá, mergulhamos nas lembranças de Macaíba, da fazenda Uberaba do nosso pai, onde vivemos momentos intensos de infância e juventude.  Daí, um […]

SOMBRAS DA CIDADE – Valério Mesquita

SOMBRAS DA CIDADE – O progresso é um cárcere privado, muitas vezes, ominoso e fatal para os telúricos, os proustianos como eu. Nasci na antiga Rua do Comércio, hoje, Nair Mesquita, em Macaíba. O local é um sobrado que não resistiu numa rua de casarões destruídos ou desfigurados. Assim ocorreu com os sobrados onde nasceram […]