21 de julho de 2017

RELEMBRANDO BOB MOTTA – Valério Mesquita

RELEMBRANDO BOB MOTTA – Morreu Bob Mota, o poeta do povo. Foi autor consagrado que dispensa ladainhas. Publicou mais de quinze cordéis e manteve coluna semanal “Cantinho do Zé Povo” em jornais de Natal e de outros municípios. O irrequieto Roberto Coutinho da Motta foi acolhido no Instituto Histórico e […]
14 de julho de 2017

PERDEMOS O CANTO E O ENCANTO – Valério Mesquita

PERDEMOS O CANTO E O ENCANTO – Claro que me refiro à campanha política eleitoral nas ruas, nas praças, nos dias e noites, nas estações de rádio e televisão. Se comparada às dos anos sessenta, setenta, e colocadas na vitrine a performance, a beleza plástica, humana, visual e emocional – […]
7 de julho de 2017

RELEMBRANDO TICIANO DUARTE – Valério Mesquita

RELEMBRANDO TICIANO DUARTE – Certos homens adquirem uma visibilidade tão marcante em seu campo de atuação que se tornam imprescindíveis aos seus contemporâneos, na medida em que suas opiniões e convicções passam a determinar modos de ver e de interpretar os acontecimentos da vida social, política e cultural. É que […]
29 de junho de 2017

ARQUIVOS – Valério Mesquita

ARQUIVOS – Rebuscando papéis, certo dia, fui achar uma carta que remeti ao jornalista e poeta maior Sanderson Negreiros, datada de 21 de novembro de 1971. Eterno capataz dos mistérios circundantes, o poeta utilizava os seus “Quadrantes” para captar o humanismo asmático. Para tanto, tinha profunda e oxigenada “respiração filosófica”. […]
23 de junho de 2017

DA SUPERPOPULAÇÃO NASCE O CAOS – Valério Mesquita

DA SUPERPOPULAÇÃO NASCE O CAOS – O agravamento dos problemas de saúde, segurança e desemprego no mundo e, particularmente, no Brasil, tem a sua raiz na explosão populacional. Não precisa ser cientista social, sociólogo, socialista ou qualquer profissional especializado para chegar às conclusões. Há cinquenta anos as entidades de planejamento […]
15 de junho de 2017

GUARAPES 2017: AUDIÊNCIAS PÚBLICAS! – Valério Mesquita

O ponto alto das comemorações dos 140 anos da emancipação política e administrativa de Macaíba será o aniversário de 208 anos de nascimento do seu fundador Fabrício Gomes Pedroza, cujas cinzas foram trasladadas do Rio de Janeiro para a igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição. O vinte e sete […]
8 de junho de 2017

ALDO DA FONSECA TINOCO – Valério Mesquita

ALDO DA FONSECA TINOCO – Relembro a figura desse sãogonçalense/macaibense nascido em julho de 1926. Falecido em abril passado, Aldo viveu as descobertas sucessivas das terras em que viveu, nas paisagens do tempo e no mistério das claridades e sombras exteriores. Prestativo e atencioso, agia assim para viver mais intensamente, […]
31 de maio de 2017

LUZES DA CIDADE – Valério Mesquita

LUZES DA CIDADE –   Poderia até ser o filme de Chaplin. Mas, semana passada, no feriadão, fui ver Macaíba do jeito que eu gosto: sem ser visto ou tocado, escondido na névoa do tempo. Rever e reviver as pessoas, as ruas, as casas e os lugares. Coisas amadas, fortuitas, […]
25 de maio de 2017

A INTENTONA COMUNISTA DE 35 EM MACAÍBA – Valério Mesquita

A INTENTONA COMUNISTA DE 35 EM MACAÍBA – Transcorria o mês de maio na pacata e provinciana Macaíba de 1935, contou-me o saudoso memorialista José Inácio Neto (Zezinho), testemunha ocular daqueles dias. Na rua João Pessoa, no centro, instalava-se a Alfaiataria Estética, do alfaiate e pastor evangélico Pedro Dantas, que […]
5 de maio de 2017

COSTUMES POLÍTICOS – Valério Mesquita

COSTUMES POLÍTICOS – Marcelo Fernandes é um amigo de antigas jornadas. Não é comum nos avistarmos pelos vãos e desvãos da vida natalense. Mas sempre que nos encontramos, o cumprimento recíproco é irreprimível: saudações pessedistas! Essa frase evoca o velho PSD de guerra do tempo de Túlio Fernandes, Alfredo Mesquita, […]
21 de abril de 2017

É O PADRE! – Valério Mesquita

É O PADRE! – Justamente por não me acudir a jurisprudência da amizade, sou mais do que isento para lhe prestar um testemunho. Não fui seu correligionário nem eleitor por conta das circunstâncias política da época. Mas, de longe, admirava o padre governador, o seu trajeto, enfeitiçado pelo cigano Aluízio. […]
13 de abril de 2017

EQUÍVOCOS HOMÉRICOS – Valério Mesquita

EQUÍVOCOS HOMÉRICOS – Nos anos noventa, o deputado Leonardo Arruda encabeçou um oportuno movimento na Assembleia Legislativa com o objetivo de tornar sem efeito o título de cidadão honorário norte-rio-grandense concedido a José Carlos Fragoso Pires. Léo, como advogado e regimentalista, procurou amparo legal para convalidar a iniciativa que teve […]
6 de abril de 2017

JOSÉ VARELA, UM DEPOIMENTO – Valério Mesquita

JOSÉ VARELA, UM DEPOIMENTO – Há certos homens públicos que podem ser sintetizados numa palavra: probidade. Na infante democracia brasileira dos anos cinquenta, conheci na casa do meu pai (Macaíba), o então governador José Augusto Varela. O PSD vivia o seu tempo áureo. Lá, os meus olhos de menino se […]
30 de março de 2017

O ÚLTIMO ALCAIDE – Valério Mesquita

O ÚLTIMO ALCAIDE – Quando assisti a reprise do programa “Memória Viva” da TV Universitária que nos devolveu o estadista Dix-Huit Rosado, entrevistado por Carlos Lyra e Dorian Jorge Freire, não contive a emoção ao revê-lo e ouvi-lo. Procurei uma crônica que escrevera logo após o seu encantamento e decidi […]
24 de março de 2017

ARENEBÊ: RESGATANDO UM EPISÓDIO – Valério Mesquita

ARENEBÊ: RESGATANDO UM EPISÓDIO – A crônica política de 1977/1978, chegou a me apontar, com certo rigor, como um dos fundadores do arenebê no Rio Grande do Norte (mistura híbrida do bipartidarismo da época). Mas, existe um episódio isolado nessa história que explica a situação ordenadamente e que nunca foi […]
16 de março de 2017

ARQUIVOS – Valério Mesquita

ARQUIVOS – 01) Rebuscando papéis, certo dia, fui achar uma carta que remeti ao jornalista e poeta maior Sanderson Negreiros, datada de 21 de novembro de 1971. Eterno capataz dos mistérios circundantes, o poeta utilizava os seus “Quadrantes” para captar o humanismo asmático. Para tanto, tinha profunda e oxigenada “respiração […]
9 de março de 2017

BAR GATO PRETO E PENSÃO DA ESPERANÇA – Valério Mesquita

BAR GATO PRETO E PENSÃO DA ESPERANÇA – 01) Na chamada “Cinco Bocas”, território humano e sentimental de Macaíba, não existe mais o bar “Gato Preto”, que tem suas origens nos primórdios da “civilização”. Foram mais de cem anos de história viva, de pastores da terra, das nuvens, das estrelas, […]
3 de março de 2017

INVENTÁRIO DOS BENS ESSENCIAIS – Valério Mesquita

INVENTÁRIO DOS BENS ESSENCIAIS – Vivo o desconforto e a nostalgia de mim mesmo ao me deparar com o sonho dos meus vinte anos que a idade madura não confirmou. Sinto-me disperso, irrealizado, quando retorno às minhas origens telúricas. A meta de trazer o passado ao presente, reconstruí-lo pela palavra […]
17 de fevereiro de 2017

FAZENDA UBERABA – Valério Mesquita

FAZENDA UBERABA – Encontrei no beco das minhas saudades, rebuscando a memória,  o vocábulo Uberaba. Era a propriedade do meu pai em Sucavão, perto de Riacho do Mel, Mata Verde e Traíras, no município de Macaíba. Com a partilha dos bens do espólio de Alfredo Adolfo de Mesquita pelo falecimento […]
17 de janeiro de 2017

CUNHA LIMA, GILBERTO FREIRE E O PEREGRINO – Valério Mesquita

CUNHA LIMA, GILBERTO FREIRE E O PEREGRINO – 01) Diógenes da Cunha Lima, advogado e poeta, iria tomar posse na presidência da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. Para a sua surpresa e orgulho para qualquer intelectual da província, foi homenageado com a presença do sociólogo Gilberto Freire. Ano seguinte, o gênio […]