VIRAMUNDO 17 – Jaécio Carlos



VIRAMUNDO 17 –

Valquisedek Miranda, Vavá, vendeu a casa para ir ver os jogos da copa do mundo de 1974, na Alemanha, onde o Brasil tinha um jogador de Natal, jogando na lateral esquerda e que foi considerado o melhor do mundo.  Vavá juntou dinheiro e viajou sozinho pra curtir a Alemanha e suas opções de lazer, sem ser incomodado.

– Você podia ter levado Francisca, a mulher. Por que não levou?

– Mulher, nessas ocasiões, atrapalha. Antes só do que mal acompanhado. Dizia sorrindo de satisfação. E outra coisa, queria conhecer também as alemãs.

Vavá quebrou a cara, porque na Europa as mulheres não gostam dos latinos e ele ficou a “ver navios”. A mulher que conheceu lá e “ficou” com ela, era uma piauiense, morena bonita.

O Brasil perdeu a Copa e Vavá, como consolação, conseguiu abraçar o jogador potiguar, melhor do mundo, no hotel onde a seleção estava hospedada. Uma choradeira danada.

– Pois é, tô quase sem dinheiro e preocupado porque quando chegar em casa, sem a copa do mundo e sem ter comido nenhuma alemãzinha, meus amigos vão ficar tirando onda comigo. E o pior, morar em casa alugada, correndo o risco da mulher se separar de mim.

Num deu outra. A mulher foi pra casa da mãe e ele ficou  morando com o irmão até as coisas se acertarem.

Francisca, a ex-mulher de Vavá, foi fazer quentinha pra vender, em Felipe Camarão e logo arranjou um namorado.

Vavá ficava no bar de Jorginho, bebendo e contando as aventuras vividas na Alemanha. Voltou a trabalhar como marceneiro na oficina do seu Totonho e a vida mudou completamente.

– Vavá, quem é o seu grande ídolo?

– Marinho Chagas.

 

 

 

Jaécio Carlos –  Produtor e apresentador dos programas Café da Tarde e Tribuna Livre, para Youtube.

As opiniões emitidas nos artigos/crônicas são de responsabilidade dos colaboradores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *