Steve Bannon deve ser punido por obstruir investigação sobre ataque ao Capitólio dos EUA



Guru político de Donald Trump e admirado pela família Bolsonaro, o estrategista de extrema direita Steve Bannon deve ser acusado nesta terça-feira (19) de desacato criminal pelo comitê da Câmara dos Representantes que investiga o trágico ataque ao Capitólio dos Estados Unidos, no dia 6 de janeiro, por simpatizantes do ex-presidente americano.

Embora intimado a depor, Bannon desafiou a comissão e não compareceu à audiência marcada para quinta-feira (14). Em mais uma demonstração de lealdade ao ex-chefe, alegou estar protegido por privilégios executivos, apesar de não integrar o corpo de funcionários da Casa Branca. Por meio de seu advogado, Trump teria instruído quatro ex-assessores a não testemunhar ao Congresso.

A comissão da Câmara quer estabelecer os vínculos entre o ex-presidente e seu conselheiro nos fatos que antecederam o motim do fatídico dia 6, quando uma turba de extremistas incitada por Trump invadiu a sede do Congresso para impedir a legitimação de Joe Biden como presidente dos EUA.

Depois da votação do comitê, a acusação vai ao plenário da Câmara, de maioria democrata, e deve ser ratificada. Se for considerado culpado por desacato ao Congresso, Bannon pode ser obrigado a pagar multa e a enfrentar 12 meses de prisão. O processo é encaminhado ao Departamento de Justiça, mas leva anos para ser concluído.

Por esta razão, democratas acusam o estrategista de Trump de mais uma artimanha para atrasar a investigação. Ele conta com apelações judiciais, que poderiam postergar a decisão final para depois das eleições de meio de mandato, em novembro de 2022. E sabe que a acusação de desacato ao Congresso, na prática, terá pouco efeito.

Arquiteto da vitória de Trump sobre Hillary Clinton, em 2016, ficou apenas sete meses no governo. Saiu aparentemente defenestrado por ter sido fonte para uma biografia nada abonadora a Trump. Continuou, contudo, a atuar nos bastidores para sustentar e amparar ideologicamente o governo e a campanha do presidente à reeleição.

No ano passado, ele foi preso sob acusação de desviar dinheiro de uma campanha que arrecadou fundos para construir um muro para barrar imigrantes na fronteira do México. Após pagar fiança de US$ 5 milhões, saiu livre.

O perdão presidencial concedido a Bannon por Trump nos últimos dias de seu mandato deixou claro que a relação entre os dois não fora abalada.

Sua influência cruzou fronteiras. Bannon lidera o “The Movement”, que engloba grupos de extrema direita no mundo. No Brasil, tem ligações sólidas com o clã Bolsonaro, especialmente com o deputado federal Eduardo Bolsonaro, escolhido por ele para representar seu movimento na América Latina.

Recentemente, o ideólogo conservador pregou contra o voto eletrônico — que, nas suas palavras, seria o único responsável “por roubar a reeleição de Bolsonaro em 2022”. Nos EUA ou onde quer que esteja, Bannon está sempre de prontidão para disseminar tumulto e desinformação.

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *