A Fábrica



COLUNA DE CINEMA

fabrica

É importante dizer que praticamente todos os grandes diretores que temos como referência, um dia já foram aprendizes. Todos começaram de alguma maneira, seja frequentando uma faculdade de cinema, ou mesmo de forma autodidata, já que não é preciso ser diplomado para se trabalhar com arte. E é partindo deste viés, que hoje abro espaço para falar sobre um universo ainda pouco conhecido por grande parte das pessoas: o curta-metragem.

 O filme em questão se chama “A Fábrica” e seu diretor, Aly Muritiba, é uma das grandes promessas do cinema contemporâneo brasileiro.

 O enredo conta a história de Metruti (Andrew Knoll), um carcereiro de boa conduta que convence a mãe, Lindalva Metruti (Eloína Duvoisin Ferreira), a levar um celular ao presídio, mesmo que para isso ela seja obrigada a ludibriar todas as regras de segurança. É interessante observarmos a naturalidade como a narrativa é conduzida.

  A câmera persegue os personagens, indo de encontro às suas ações, remetendo um forte diálogo com o cinema documental.

 Se no teatro temos a elevação das expressões faciais e da projeção vocal, no cinema elas devem ser conduzidas da forma mais espontânea possível. Muritiba trabalhou muito bem essa leveza com os atores, pois todos transmitem uma incrível fluidez cênica. Além disso, temos a ausência de trilha sonora, que é substituída pelo som ambiente.

 “A Fábrica” é um dos curtas brasileiros mais bem sucedidos dos últimos tempos. Ganhou mais de 60 prêmios nacionais e estrangeiros, foi exibido em mais de cem festivais e vendido às grandes emissoras europeias de TV; não à toa, foi o curta nacional escolhido para representar o Brasil na corrida ao Oscar 2013, e chegou muito próximo de ficar entre os cinco finalistas. O Brasil não só se resume ao futebol; aqui também se FABRICA cinema, e dos bons.

 O filme pode ser conferido na íntegra através do portacurtas.org.br/filme/?name=a_fabrica

LUCAS GALVAO IMG_20140602_160441128 LUCAS

Lucas Galvão – Bacharel em Cinema e Critico  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *