E se as abelhas forem extintas?  

FERNANDO JORGE

Fernando Jorge

Li recentemente uma matéria e fiquei deveras preocupado.

As abelhas, assim como outros insetos e morcegos, são responsáveis por 40% dos alimentos que são consumidos por nós. Como assim?

Pois é.

Além do delicioso mel, as abelhas são responsáveis pelo equilíbrio da biodiversidade, por meio da polinização. Trinta e cinco por cento (30%) das lavouras e noventa e quatro por cento (94%) das plantas silvestres dependem dessa atividade.

Há um risco iminente diante de um fenômeno conhecido como ”Desordem do Colapso das Colônias”, que nada mais é do que a diminuição do número de abelhas no mundo e o país mais afetado são os Estados Unidos.

Este assunto está sendo levado tão a sério, que a ONU resolveu pauta-lo nas suas reuniões. Trata-se de um tópico de elevada importância política, em função de que com a diminuição das colônias, existirá a consequente queda na produção de alimentos em todo o mundo e a economia certamente será afetada.

Os pesquisadores atribuem a essa desordem a disseminação do uso de pesticidas que enfraquecem as colônias,  como também à ação de parasitas que ataca o organismo das abelhas.

Em alguns países medidas estão sendo tomadas no sentido de se controlar o uso destes defensores agrícolas, porém, nos países mais pobres esse controle não é possível, por razões econômicas e de políticas desses governos.

Contrariando toda a expectativa mundial, existem pontos em nosso país que nos deixam na vantagem ante a desordem.

Por quê?

 No Brasil não somos dependentes de uma única espécie, como ocorre nos EUA e na Europa, existem catalogados 250 (duzentos e cinquenta) tipos de polinizadores, dos quais 87% (oitenta e sete por cento) são de abelhas. Ou seja, pelo menos em termos de abelhas nós estamos bem.

Enfim, surgiu um item em que o Brasil está em certa “vantagem”.

Conhecendo melhor este assunto temos a certeza de que cada vez mais devemos preservar o meio ambiente.

Vamos fazer a nossa parte.

Fernando Jorge – Contabilista e cidadão

As opiniões contidas nos artigos são de responsabilidade dos colaboradores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *